Tumores

Um tumor espinhal é um nódulo benigno ou canceroso de células na medula espinhal ou nas áreas circundantes. Estes tumores podem comprimir a medula espinhal ou suas raízes nervosas e por isso mesmo um crescimento benigno pode ser incapacitante, sem tratamento disponível.

O que é um tumor?

Os cancros e tumores da coluna vertebral e da medula espinhal são relativamente raros. O sintoma mais comum nesses casos é dor. Dor nas costas e dor de garganta são muito comuns, mas não são sintomas específicos de qualquer doença ou condição médica. Felizmente, a maioria dores nas costas e pescoço não são devidas a um tumor. No entanto, se um câncer é descoberto após um longo período de abordagem conservadora de dor nas costas, a maioria dos pacientes ficam com a sensação de que o seu problema deveria ter sido investigado mais a fundo inicialmente. Assim, o desafio consiste em determinar a melhor forma de abordar a dor nas costas, com o objetivo de excluir especificamente um tumor como a causa da dor.

Quais são os sintomas de um tumor?

Os sintomas capazes de sugerir que um tumor ou um cancro seja o responsável pelos mesmos incluem dor com piora progressiva a despeito do tratamento, e que pode estar associada a outros sintomas, tais como fadiga ou perda de peso. A dor pode ser pior à noite e não necessariamente está relacionada com o grau de atividade. Quando associada com sintomas neurológicos, como perda de controle do intestino e da bexiga ou dor que se dissemina inferiormente pelas pernas, uma avaliação mais aprofundada se justifica. Outros sinais físicos, tais como caroços, inchaços e manchas na pele, podem sugerir que você tem um tumor em algum outro lugar em seu corpo.

Fatores de Risco

O tabagismo, uma dieta pouco saudável, agentes químicos e exposição à radiação, história familiar de alguns tipos de câncer, como câncer de mama ou câncer de ovário, e excesso de exposição ao sol são fatores de risco comuns a certos tipos de câncer. Estes nódulos geralmente ocorrem em diferentes partes do corpo e, em seguida, se espalham para a coluna vertebral após um período de crescimento. A coluna vertebral e os corpos vertebrais apresentam um rico suprimento sanguíneo, e as células cancerosas podem se espalhar para esta parte do corpo, viajando pela corrente sanguínea. Dores nas costas não são geralmente o primeiro sintoma de um câncer maligno que se desenvolve em seu corpo. Sendo assim, os médicos usam exames médicos de rotina a fim de rastrear certos tipos de câncer antes que eles tenham a chance de se espalhar. Mamografias regulares para rastrear câncer de mama, o exame Papanicolau para investigar o câncer cervical, radiografia de tórax para procurar câncer de pulmão, e exames de sangue oculto nas fezes para o câncer de cólon são exemplos de exames que devem fazer parte do programa de manutenção da saúde de todos.

Como um tumor é diagnosticado?

A maioria dos tumores da coluna vertebral são encontrados como parte de uma avaliação diagnóstica de rotina de dor no pescoço ou nas costas. Isso começa com um exame físico completo. Se você tiver dúvidas a respeito da possibilidade de ter câncer em outro lugar, você deve discutir este assunto com o seu cirurgião da coluna, que será capaz de ajudá-lo a certificar-se de que você está realizando os testes corretos. Radiografias do seu pescoço ou das costas são sempre o passo inicial no processo de geração de imagens. Os raios X são uma boa maneira de olhar a coluna vertebral, mas não são infalíveis. Enquanto muitos tumores são visíveis na radiografia normal, alguns são muito mais difíceis de serem percebidos. Isto é especialmente verdadeiro para os nódulos que envolvem os tecidos moles, tais como a própria medula espinhal ou os músculos que rodeiam a coluna. Quando houver razões para sugerir que um câncer pode ser a causa da dor nas costas, os médicos costumam pedir uma cintilografia do osso, uma tomografia computadorizada (TC) ou uma ressonância magnética. A combinação de uma história clínica, exame físico e estudos de imagem apropriados será capaz de encontrar ou excluir a maioria dos tumores da coluna vertebral.

Como um tumor é tratado?

O tipo de tumor, o grau de envolvimento das vértebras, o local de acometimento e o prognóstico do paciente são usados para decidir que tipo de tratamento é o melhor. Muitas vezes essa decisão é tomada por uma equipe de cirurgiões, oncologistas, radiologistas e outros médicos que se especializam em cuidar de pacientes com câncer. Muitos tumores da coluna vertebral podem ser tratados com bons resultados, e a dor pode também ser significativamente atenuada. É muito importante que você reúna o máximo de informação possível sobre as opções de tratamento para o tipo específico de câncer que você ou seu ente querido tem. O primeiro passo para a coleta dessa informação é se certificar de que você entende bem o tipo de câncer com o qual está lidando e quais são suas opções de tratamento. Com esse conhecimento, você pode participar ativamente do processo de tomada de decisão com sua equipe de médicos.

Tumores benignos:

Os médicos utilizam o termo “benigno” para indicar a improbabilidade de um tumor se espalhar para outras partes do corpo. Os tumores benignos podem representar um problema significativo, no entanto, dependendo de sua localização, tamanho, estruturas adjacentes, fornecimento de sangue, entre outros fatores. A maioria dos tumores benignos pode, entretanto, ser tratada com sucesso.

Os tumores a seguir são exemplos de tumores benignos que podem afetar a coluna vertebral e suas estruturas envolventes:

·         Osteomas Osteóides:

O osteoma osteóide é uma lesão benigna que tem uma tendência única a afetar a parte posterior da vértebra durante a adolescência. Isto ocorre principalmente no pedículo e nos elementos posteriores, não no corpo vertebral. É responsável por cerca de 10% de todos os tumores ósseos envolvendo a coluna vertebral. Apresenta-se geralmente com dor de grande intensidade, pior à noite, que é extremamente responsiva à aspirina ou aos anti-inflamatórios não-esteróides (AINE), como o Ibuprofeno. Pode ser de difícil visualização na radiografia, mas a cintilografia óssea é de alta precisão diagnóstica. As opções de tratamento incluem o uso prolongado de AINE, a excisão cirúrgica e um novo método de tratamento com ablação por radiofrequência. Após a cirurgia ou a ablação, o alívio da dor é rápido e a recorrência é rara.

·         Osteoblastomas:

Osteoblastomas são versões maiores do osteoma osteóide, e, por definição, são maiores do que 2 cm de diâmetro. Eles tendem a afetar a parte posterior da coluna vertebral e a apresentar-se com dor. Eles também tendem a ser mais agressivos e, geralmente, exigem a ressecção cirúrgica. As taxas de recorrência são mais elevadas do que as observadas com os osteomas osteóides, o que significa que eles podem voltar a ter o mesmo volume em cerca de 10% do tempo necessário para a recorrência dos primeiros.

·         Cistos ósseos aneurismáticos (ABC):

ABC são tumores benignos que ocorrem com freqüência na coluna cervical e que podem afetar os elementos posteriores da coluna ou o próprio corpo vertebral. Esses tumores tendem a afetar os adolescentes mais velhos com dor e, em alguns casos, com sintomas neurológicos. A causa é mal compreendida. O tratamento recomendado é a excisão e curetagem da lesão e descompressão dos elementos da coluna vertebral, quando necessário.

·         Tumores de células gigantes:

Os tumores de células gigantes são mal compreendidos. Eles tendem a afetar o corpo vertebral (frente da coluna vertebral) e, apesar de serem teoricamente “benignos”, podem ser muito agressivos e às vezes se espalharem em outros lugares. Eles podem causar dor local, bem como sintomas de compressão da medula espinhal. Mais comumente ocorrem entre os 20 a 40 anos de idade, mas essa faixa é variável. O tratamento é geralmente cirúrgico, sendo a ressecção em bloco a técnica de escolha. Existem alguns casos nos quais a radiação e a embolização pré-operatória do tumor irão melhorar o risco cirúrgico e o resultado. Estes tumores requerem cuidadoso planejamento pré-operatório e uma abordagem multidisciplinar antes do procedimento cirúrgico inicial. A remoção incompleta de um tumor de células gigantes vertebral pode levar a eventual transformação maligna.

·         Granuloma eosinofílico (EG):

EG é uma lesão benigna óssea que irá apresentar-se com dor e a constatação radiográfica de “vértebra plana”, um colapso ou achatamento do corpo vertebral que ocorre em crianças e adultos. Estes tumores podem ocorrer por si só ou como parte de uma síndrome envolvendo múltiplos ossos e outros órgãos. Decisões de tratamento são altamente individualizadas, sem consenso claro sobre o “melhor” método terapêutico. Muitos destes tumores podem ser tratados sem cirurgia ou, em certos casos, com radiação de baixa dose.

·         Encondromas:

Encondromas são tumores benignos feitos de cartilagem. Eles têm potencial para aumentar até interferir no canal da coluna vertebral ou nos elementos neurais. Quando sintomáticos, o tratamento recomendado é a excisão cirúrgica. Existe uma pequena porcentagem destes tumores que evolui para um tumor maligno de baixo grau, conhecido como condrossarcoma. Isto é, felizmente, muito raro, mas um rápido aumento no tamanho da lesão pode justificar uma biópsia. Os médicos utilizam o termo “maligno” para indicar que um determinado tumor ou nódulo se espalha para outras partes do corpo e que pode ser difícil de curar ou tratar. Isso difere dos nódulos benignos, que são muito menos propensos a se espalhar e são mais fáceis de tratar e controlar.

Tumores malignos:

Os médicos utilizam o termo “maligno” para indicar que um determinado tumor ou nódulo se espalha para outras partes do corpo e pode ser difícil de curar ou tratar. Isto é muito diferente dos nódulos benignos, que são muito menos propensos a se espalhar, são mais fáceis de tratar e controlar.

Os exemplos a seguir representam tumores malignos que podem afetar a coluna vertebral e suas estruturas envolventes.

·         Doença metastática:

Qualquer tumor maligno pode gerar metástases para os ossos, mas os tumores metastáticos mais comuns são os de mama, próstata, rim, tireóide e pulmão. As duas maneiras pelas quais as células tumorais podem alcançar a coluna vertebral são através do sistema venoso e do sistema arterial. A coluna e seus elementos circundantes têm uma generosa oferta de sangue, drenando muitas das estruturas da cavidade abdominal inferior através de um sistema de veias chamado plexo de Batson. Os canais linfáticos também são considerados um terceiro, mas menos provável, caminho de disseminação de células cancerosas.

A propagação ou metástase de tumores a partir de outras partes do corpo para a coluna vertebral pode ocorrer depois de um nódulo ter crescido nestes outros locais por um longo período de tempo. Os tumores que se espalham para o espinha geralmente causam dor significativa. Se eles são grandes, eles podem causar pressão sobre a medula espinhal, o que faz aumentar a dor e o déficit de funcionamento normal do intestino, bexiga e pernas. Nódulo metastático pode não ser curável, mas os objetivos do tratamento são geralmente dirigidos para o alívio da dor, para a descompressão dos elementos neurais (removendo a pressão sobre a medula espinhal e os nervos), e para preservação da qualidade de vida do paciente, na medida do possível. A cirurgia, quimioterapia e radioterapia localizada desempenham um importante papel na redução da dor associada com os nódulos que se espalharam para a coluna vertebral a partir de outros sítios.

·         Mieloma:

O mieloma é o tumor maligno primário mais comum do osso. Ele geralmente afeta adultos maiores de 40 anos de idade. Tende a ser generalizado, envolvendo vários ossos, mas a dor e o envolvimento da coluna vertebral são as queixas mais comuns à apresentação. A maioria dos pacientes tem envolvimento vertebral, enquanto um número menor tem dor vertebral. O tratamento é paliativo, o que significa que a doença pode ser controlada mas não completamente curada. A quimioterapia é utilizada para controlar a dor e retardar a progressão da doença. A cirurgia pode ser necessária se ocorrem fraturas patológicas ou se há compressão da medula espinhal.

·         Osteossarcoma:

O osteossarcoma é o segundo tumor maligno primário mais comum do osso. Existem dois grupos etários que mais freqüentemente desenvolvem esse tipo de câncer. Ele geralmente afeta adolescentes e adultos jovens, com um segundo pico de incidência em adultos mais velhos. É muito raro na coluna vertebral. Avanços modernos em imaginologia, quimioterapia e tratamento cirúrgico de osteossarcoma melhoraram significativamente a sobrevida em 5 anos de mais de 80 por cento dos pacientes. Este é um feito incrível, já que há 20 anos esta doença era quase sempre fatal.

·         Leucemia:

Leucemia, nas suas várias formas, pode apresentar-se com dor nas costas ou no pescoço, que pode ser causada pelo crescimento do nódulo na medula óssea do corpo vertebral. Os sintomas mais comuns de leucemia, tais como febre, fadiga, hematoma, hemorragia, excessiva e anemia, são, no entanto, percebidos bem antes de ocorrer dor na coluna.

As fraturas por compressão vertebral

Dor nas costas não é apenas mais um aspecto inevitável do envelhecimento. Pode ser um sinal de fraturas por estresse dentro da sua coluna, conhecidas como fraturas por compressão vertebral.

O que é uma fratura por compressão vertebral?

Ocorrem fraturas da coluna vertebral quando o corpo vertebral normal é “esmagado” ou comprimido. Quando a carga na vértebra excede a sua estabilidade ou resistência, o osso pode entrar em colapso. Dor, dificuldade de locomoção, perda de altura e deformidade da coluna vertebral são resultados frequentes. Em casos graves, parte do corpo vertebral pode invadir o canal espinhal e gerar pressão sobre a medula espinhal e os nervos. O funcionamento de órgãos como o intestino e a bexiga também pode ser comprometido.

Fraturas por compressão vertebral podem ocorrer por uma série de razões: por trauma a partir de uma queda ou de um acidente de carro, por desgaste ósseo devido a osteoporose, ou ainda pela propagação de um tumor para a espinha.

Saber como prevenir, reconhecer e tratar as fraturas por compressão vertebral é fundamental para a manutenção da boa saúde da coluna vertebral. Aqui estão algumas informações para ajudar você a saber mais sobre este tipo de lesão medular.

As fraturas por compressão vertebral podem necessitar de tratamento cirúrgico. Opções como a Cifoplastia por balão estão disponíveis no arsenal das técnicas minimamente invasivas.

Diagnósticos


Warning: Use of undefined constant title - assumed 'title' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/storage/5/81/c1/cristianomenezes1/public_html/wp-content/themes/cristiano2016/single.php on line 89

Warning: Use of undefined constant ASC - assumed 'ASC' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/storage/5/81/c1/cristianomenezes1/public_html/wp-content/themes/cristiano2016/single.php on line 90

Assinar
Newsletter