Espondilolistese

Espondidolistese ocorre quando uma vértebra desliza para a frente em relação às vértebras adjacentes. A condição pode ser uma fonte de dor nas costas, dor nas pernas e outros sintomas.

O que é Espondilolistese?

Espondidolistese ocorre quando uma vértebra desliza para a frente sobre as vértebras adjacentes. A condição pode ser desde relacionada ao desenvolvimento, ou como resultado de um estresse biomecânico ou mesmo por artrose das articulações da coluna vertebral. Ele pode produzir tanto uma deformidade progressiva da coluna lombar e também um estreitamento do canal vertebral, e pode causar dor nas costas, dor nas pernas e outros sintomas.



Tipo I

Existem cinco tipos de espondilolistese *:

O tipo I é chamado de espondilolistese displásica e é secundária a um defeito congênito de qualquer das facetas sacrais superiores ou inferiores de L5 ou ambos, com deslizamento gradual da vértebra L5.type1-spondy

Tipo II, ístmica ou lítica, em que a lesão é no istmo ou pars interarticulares. Sua maior importância clínica encontra-se em pessoas com idade inferior a 50 anos. Se um defeito na pars interarticulares for identificado, mas sem que o escorregamento tenha ocorrido, a condição é denominada espondilólise. Se uma vértebra deslizou para a frente das vértebra imediatamente inferior (translação horizontal), considera-se espondilolistese.

Tipo II podem ser divididos em três subcategorias:

Tipo II A é às vezes chamado de espondilolistese lítica ou o stress e é provavelmente causado por microfraturas recorrentes causadas por hiperextensão. Ele também é chamado de “fratura por estresse” dos pars interarticularis e é muito mais comum no sexo masculino, em atletas que fazem a extensão forçada do tronco (judocas, nadadores, ginastas, por exemplo).

Tipo II B provavelmente também ocorre a partir de microfracturas na pars. No entanto, em contraste com o Tipo II A, a pars interarticularis permanece intacta, mas alongada como se a fratura tivesse consolidado.

Tipo II C é muito raro e é causada por uma fratura aguda da pars. Cintilografia óssea pode ser necessária para estabelecer um diagnóstico.

 

type2A-spondy

 

Tipo III, é uma espondilolistese degenerativa, e ocorre como uma consequência da degeneração das articulações lombares (facetas articulares). A alteração destas articulações pode permitir o deslocamento para a frente ou para trás da vértebra. Este tipo de espondilolistese é mais freqüentemente vista em pacientes idosos, principalmente mulheres e no nível L4L5. No Tipo III, espondilolistese degenerativa, não existe nenhum defeito da pars e o deslizamento vertebral nunca é superior a 30%.

Tipo IV, espondilolistese traumática, está associado a fratura aguda de um elemento posterior (pedículo, lâmina ou facetas), com exceção da pars interarticularis.

Tipo V, espondilolistese patológica ocorre devido a uma fraqueza estrutural do osso secundário a um processo de doença, tais como uma doença óssea tumoral ou outra.

 

Quais são os sintomas de espondilolistese?

O sintoma mais comum de espondilolistese é a dor lombar. Muitas vezes um paciente pode desenvolver a lesão (espondilólise) entre as idades de cinco e sete anos e não apresentam sintomas até os 35 anos de idade, quando uma torção repentina ou movimento de elevação causará um episódio agudo de dor nas costas e na perna.

O grau de escorregamento vertebral não se correlaciona diretamente com a quantidade de dor que um paciente vai experimentar. Cinquenta por cento dos pacientes com associam espondilolistese a uma lesão com o aparecimento dos seus sintomas.

Além de dor nas costas, os pacientes podem se queixar de dor na perna. Neste caso, pode ser associado ao estreitamento da área onde os nervos saem do canal espinal (forame vertebral), que produz irritação de uma raiz nervosa.

Muitos pacientes com espondilolistese terão sintomas vagos e muito pouca deformidade visível. Muitas vezes, o primeiro sinal físico da espondilolistese é tensão dos músculos isquiotibiais (posteriores da coxa). Só quando o deslizamento atinge mais que 50 por cento da largura do corpo vertebral uma deformidade visível será vista na coluna vertebral.

Pode haver uma ondulação no local da anormalidade. Às vezes, há espasmos musculares leves e, geralmente, um pouco de tensão local pode ser sentida na área. A amplitude de movimento muitas vezes não é afetada, mas um pouco de dor pode ser esperada em hiperextensão. Resultados dos testes laboratoriais são normais em pacientes com um ou ambos os transtornos.

Como é diagnosticada a espondilolistese?

Para determinar se a espondilolistese é a causa de seus sintomas o médico pode, além de realizar um exame físico, recomendar um teste diagnóstico como um raio-x, tomografia computadorizada (TC) ou ressonância magnética (MRI). O diagnóstico de espondilolistese é confirmada notando-se a posição para a frente de um corpo vertebral sobre o outro.

A espondilolistese também é classificada de acordo com a quantidade que um corpo vertebral avança para a frente em outro. Um deslizamento grau I  significa que a vértebra superior tenha deslizado para a frente a menos de 25 por cento da largura total do corpo vertebral. Um deslizamento de grau II situa-se entre 25 e 50 por cento, um deslizamento de grau III, entre 50 e 75 por cento, um deslizamento de grau IV é maior do que 75 por cento, e, no caso de um deslizamento grau V, o corpo vertebral superior deslizou completamente para a frente, fora da parte dianteira do corpo vertebral inferior, uma condição denominada espondiloptose.

Como a Espondilolistese é tratada?

O seu médico será capaz de discutir com você o que significa o seu diagnóstico em termos de opções de tratamento. Para a maioria das pessoas, sem quaisquer sinais de compressão do nervo ou outro comprometimento neurológico, a primeira linha de tratamento consiste em terapias não-cirúrgicas, tais como medicamentos, repouso e fisioterapia. Órtese e bloqueios espinhais também podem ser recomendados.

A Cirurgia da coluna é normalmente considerada somente após os tratamentos conservadores não conseguem aliviar adequadamente os sintomas durante um período significativo de tempo, ou se há evidência de envolvimento do nervo, como dormência ou formigamento, fraqueza muscular ou distúrbios de controle do intestino ou bexiga.

Hoje existem diversos trabalhos científicos que comprovam que a cirurgia minimamente invasiva da coluna no tratamento da espondilolistese é superior às técnicas convencionais abertas. Como exemplo temos o TLIF minimamente invasivo (diversos tipos de espondilolistese) e o XLIF (para espondilolistese degenerativa).

Os procedimentos cirúrgicos que podem ser recomendados para o tratamento de espondilolistese incluem:

  • Descompressão da coluna vertebral, um procedimento no qual o osso é removido para eliminar a pressão do nervo
  • Fusão espinhal, um procedimento no qual o material de enxerto ósseo é colocado entre as vértebras para se juntar – ou se fundem – as vértebras para restaurar a estabilidade da coluna vertebral

Os processos são geralmente realizados em conjunto, como parte da mesma cirurgia, o objetivo geral de que é para parar o deslizamento, remover a fonte de irritação e inflamação e restabelecer a estabilidade da coluna vertebral.

Os benefícios da cirurgia da coluna, no entanto, devem ser pesados ​​contra os riscos. Discuta com o seu médico os riscos e benefícios da cirurgia, e os resultados potenciais de tratamento cirúrgico e não-cirúrgico.

* Seimon, LP. Dor Lombar: Diagnóstico e Manejo Clínico. Norwalk: Appleton-Century-Crofts, 1983.

Assinar
Newsletter